Recuperação de cabelo versão “Low Cost”

Sim, é possível recuperar um cabelo danificado sem gastar muito dinheiro. Existem atualmente bons produtos à venda em grandes superfícies e mesmo em lojas especializadas a um baixo preço, que quando utilizados adequadamente, permitem obter bons resultados.

O primeiro passo é a escolha de um bom champô. Já vimos aqui que os sulfatos presentes na grande maioria dos champôs são elementos altamente responsáveis pelo ressecamento da fibra capilar, o que resulta no seu dano progressivo. Assim, o ideal é escolher formulações com um teor baixo de sulfatos.

O champô Tresemmé Liso Keratina – segundo a formulação com um baixo nível de sulfatos – é uma boa opção para quem tem o cabelo liso natural, ou alisado e o pretende manter assim por mais tempo:

tresemme

Para quem prefere o cabelo ondulado, a L’Oreal traz uma gama de champôs sem sulfatos, a linha “Hair Expertise”, à venda também nas grandes superfícies:

lorealeverpure

Esta linha também já foi mencionada aqui.

Passando aos tratamentos amaciadores/reconstrutores…

Para recuperar o cabelo é necessário investir numa boa máscara de tratamento. Na Pluricosmética, temos o tratamento Repair Rescue, da Schwarzkopf, que segundo a marca “apresenta uma poderosa combinação de queratina hidrolisada e um componente de lípidos que restaura a camada protetora de cabelo virgem” e  que “(…) repara o cabelo ao preencher as lacunas estruturais, recupera a elasticidade, fortifica e confere brilho profundo em todos os tipos de cabelo”.

schwarzkopfrepairrescue

Podem conferir mais opções de reconstrução capilar (mas não tão “low cost”!) aqui.

Outra opção também igualmente acessível e muito eficaz é a utilização de óleos para nutrir e recuperar o cabelo. O óleo de côco pode ser comprado em supermercados, e quando aplicado devidamente, permite transformar o cabelo estragado num cabelo nutrido, forte e brilhante.

É importante relembrar que recuperar um cabelo danificado e sem vida exige tempo e muita paciência. Os resultados só começarão a ser visíveis após algumas semanas de tratamento. Quem está habituado a lavar o cabelo no duche pela manhã (e aplicar um pouco de condicionador nas pontas) vai perceber que terá que mudar de hábitos, se quer “salvar” o cabelo! O ideal é guardar estes tratamentos profundos para o fim de semana.

Anúncios

Low Poo

No seguimento dos posts anteriores, aqui e aqui, este é dedicado ao movimento capilar Low Poo. A rotina capilar low poo também considera que os sulfatos presentes na maioria dos champôs são altamente responsáveis pelo ressecamento do cabelo, ao removerem para além da sujidade e óleos acumulados, também os óleos produzidos pelo couro cabeludo, que ajudam a manter o cabelo saudável.

Já vimos que a limpeza em excesso pode, efetivamente, trazer problemas ao cabelo – ressecamento do cabelo e do couro cabeludo, cabelo fragilizado e até mesmo caspa (e em casos extremos queda de cabelo). Com o uso continuado, o cabelo vai ficando progressivamente mais seco, com frizz e volumoso.

luizacosmeticos.hidracthair

(luizacosmeticos.hidracthair)

E no caso de cabelos oleosos, os sulfatos podem até aumentar a oleosidade – o couro cabeludo entende que está sem gordura, e produz mais óleo para compensar.

Nesta rotina capilar já não é necessária a eliminação total dos componentes “proibidos” no No Poo, pois os champôs adequados numa rotina low poo ainda contém alguns sulfatos. São é em menor quantidade e numa formulação mais leve, pelo que o uso de séruns, cremes leave-in e outros cremes é permitido – mas deve ser moderado.

Estes champôs limpam com suavidade e agridem menos os fios do cabelo, preservando assim por mais tempo o cabelo saudável. São geralmente formulados sob a forma de balm de limpeza – são champôs cremosos e suaves que fazem pouca ou nenhuma espuma.

lowpoo

(Lookfantastic, Pluricosmética, Yves Rocher)

(1) Revlon Uniq One Cleansing Balm

(2) Kérastase Chroma Sensitive Cleansing Balm (próprio para cabelos pintados)

(3) L’Oréal Professionnel Série Expert Absolut Repair Cleansing Balm

(4) Yves Rocher Creme Delicado para Lavar o Cabelo

E nos supermercados também podemos encontrar uma linha de cuidados capilares sem sulfatos (na imagem, apenas os champôs) desenvolvida pela L’Oréal:

daintyflair

(daintyflair)

Os champôs sem sulfatos/com baixo nível de sulfatos tornam os cabelos gradualmente mais saudáveis, hidratados e brilhantes. Ajudam a manter a cor dos cabelos pintados por mais tempo e não causam irritações, reduzindo a caspa e ajudando em casos de queda capilar.
Qualquer tipo de cabelo melhorará a sua condição ao adotar o uso destes champôs, mas os cabelos secos, quimicamente tratados, e com caracóis serão certamente os mais beneficiados.

Estes produtos podem ser comprados em Salões Autorizados, na Pluricosmética e no website Lookfantastic.
Para saber mais sobre os produtos da Kérastase em português, clique aqui.
Os links de lojas online internacionais incluídos neste blog são sempre de locais que enviam para Portugal com portes baixos ou mesmo gratuitos.

No Poo e Low Poo – o que é?

As expressões no poo e low poo surgiram do livro Curly Girl: The Handbook.

Curly Girl: The Handbook (Barnes and Noble)

São duas rotinas de lavagem do cabelo, que partem do principio de que os champôs vulgares, que utilizamos normalmente, contêm substâncias bastante agressivas para o cabelo – os sulfatos. O champô é um detergente, e como tal, remove a sujidade e produtos acumulados. Contudo acaba também por, inevitavelmente, remover a proteção lipídica da fibra capilar – os óleos naturais e necessários para um cabelo forte e saudável.

Para percebermos melhor…
O Sodium Laureth Sulfate (SLS) ou Sodium Lauryl Ether Sulfate (SLES) são agentes químicos inicialmente usados nos produtos de limpeza da indústria automóvel e química, e atualmente utilizados nos mais variados produtos de cosmética (não só champôs, como sabonetes ou pasta de dentes). Estas substâncias ajudam à produção elevada de espuma, permitindo uma melhor distribuição do produto durante a lavagem do cabelo, pele ou dentes. São substâncias altamente irritantes para a pele, mucosas e olhos.

Antes e Depois, utilização de sulfatos em produtos capilares:

missrustynet

(missrusty)

Lorraine Massey, a autora deste livro (para muitos, completamente revolucionário, no que toca ao entendimento e tratamento adequado do cabelo seco com caracóis), inspirou-se no seu próprio cabelo e tem inspirado também nos últimos tempos uma série de pessoas a seguir o seu método. De acordo com a autora, a forma em espiral dos caracóis impede que a oleosidade natural do couro cabeludo se espalhe de maneira uniforme ao longo dos fios do cabelo. Esta falta de oleosidade torna os cabelos com caracóis mais suscetíveis aos danos externos. O cabelo com caracóis tem também tendência a ser mais poroso do que o cabelo liso, o que torna o enxaguar total do champô praticamente impossível.

Antes e Depois, utilização de sulfatos em produtos capilares:

RockynCurls

(rockyncurls)

Mas as rotinas no/low poo não são necessariamente apenas para quem tem caracóis. Devido às consequências comprovadas do uso continuado de sulfatos nos produtos capilares, a diminuição do seu uso é especialmente benéfica para quem tem cabelo seco, ressecado, quimicamente tratado ou crespo.

Antes e Depois, utilização de sulfatos em produtos capilares:

thebeautydepartment

(thebeautydepartment)

 

No Poo (no shampoo, traduzindo diretamente, sem champô)
Nesta rotina é eliminado completamente o uso do champô. Para além dos produtos com sulfatos, são também abolidos todos os produtos capilares que contenham silicones, óleos minerais e derivados do petróleo (substâncias que são altamente vulgares nos produtos capilares). Os silicones, óleos minerais e petrolatos fixam-se sobre a superfície dos fios do cabelo, criando uma película insolúvel – e ao não serem solúveis na água, só são removidos com sulfatos fortes.

A única forma de perceber se estas substâncias estão presentes ou não nos produtos capilares é lendo os ingredientes no verso das embalagens.
Assim, quem segue uma rotina de cuidados capilares no poo, deverá abolir os seguintes componentes:

Sulfatos:
– Sodium Lauryl Sulfate (SLS) – o mais comum e mais barato de todos os sulfatos;
– Sodium Myristyl Lauryl Ether Sulfate (SLES) ou Sodium Laureth Sulfate;
– Sodium Myreth Sulfate;
– Sodium Myristyl Sulfate;
– Ammonium Lauryl Sulfate (ALS);
– Ammonium Lauryl Ether Sulfate(ALES).

Silicones insolúveis:
– Trimethylsilylamodimethicone;
– Amodimethicone;
– Cyclopentasiloxane;
– Cyclomethicone;
– Dimethicone;
– Cetyl Dimethicone;
– Cetearyl Methicone;
– Dimethiconol;
– Stearyl Dimethicone;
– Phenyl Trimethicone;
– Simethicone;
– Polydimethylsiloxane;
– Methicone.

 Óleos Minerais:
– Petrolatum;
– Mineral Oil;
– Parafinum Liquid.

Informação retirada daqui.

O no poo é uma rotina que, quando adotada, deverá ser seguida à risca. Se os sulfatos forem eliminados completamente, mas não se eliminarem os componentes insolúveis listados acima, o cabelo vai ficar saturado, perder o brilho e ficar com um aspeto sujo e sem volume.

A forma mais conhecida de seguir uma rotina capilar no poo é adotando a técnica de co-wash (conditioner wash, traduzindo à letra, lavagem com condicionador).

(sobre esta técnica, e alguns produtos sugeridos, será feito um post na próxima semana.)

Low Poo (low shampoo, traduzindo diretamente, baixo/leve champô)
A rotina low poo utiliza sulfatos com formulações mais suaves, e de forma moderada. Esta técnica admite o uso do champô, mas champôs considerados mais “leves”. E quem segue esta rotina capilar usa também de forma moderada séruns ou outros produtos (leave-in, máscaras, por ex.) com substâncias insolúveis.

(sugestões de produtos adequados a uma rotina low poo em próximo post)

Aqui está Lorraine Massey falando um pouco melhor das suas técnicas – e na internet encontram-se bastantes testemunhos de pessoas que aboliram completamente o uso de sulfatos (ou que diminuíram significativamente o seu uso) nos produtos capilares, e que perceberam melhorias consideráveis na condição do cabelo.

(editado a 08/02 para acrescentar algumas imagens “antes/depois”)